1ª Conferência/Concil [Blockchain/OI Teresina]

Em agosto foi realizado a 1ª Conferência do Desafio #MoveTeresina, teve como principal objetivo discutir o progresso das equipes no desenvolvimento dos projetos e o levantamento de informações para decisões estratégicas sobre as próximas fases.

Nesta reunião foi deliberada a realização de ações de Urbanismo Tático durante o mês de setembro, como atividade integrante do Desafio, envolvendo como tema os projetos em desenvolvimento pelas equipes.

Também ficou estabelecido o incentivo às equipes para possíveis melhorias dos projetos em desenvolvimento visando o maior alinhamento das soluções com as necessidades dinâmicas do sistema de transporte.

Estiveram presentes integrantes da Systra, AFD, Unifor e Prefeitura de Teresina.

Agenda

10h – 10h20 →  Apresentação do status geral dos desenvolvimentos das 3 POC – Apresentação SYSTRA/UNIFOR

10h20 – 11h05 →  Apresentação das 3 equipes, 15 minutos por equipe

11h05 – 11h30 →  Discussão aberta sobre os próximos passos e decisões estratégicas

Participantes

Cintia BARTZ, Prefeitura de Teresina

Suzanne SPOONER, AFD

Fernando PACHECO, AFD

Marina MOSCOSO, Despacio

Carlos Felipe PARDO, Despacio

Mariana Veronica DE MOURA, SYSTRA

Sabina KAUARK, SYSTRA

Luiza SENNA, SYSTRA

Ana Luiza CALDEIRA, SYSTRA

Joan SERRANO, SYSTRA

Ricardo COLARES, UNIFOR

SETUT, ASCAMTE e SMPM são apresentados à 2ª fase do projeto

A equipe de linha de frente do Observatório do Transporte de Teresina se reuniu na manhã desta terça feira (9), com representantes da Secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Consórcio de Transporte Público e Associação de Cadeirantes do município.

O encontro teve como objetivo, fazer uma apresentação detalhada e sanar dúvidas sobre a 2ª fase do projeto.

Wilson Gomes, presidente da Associação de Cadeirantes de Teresina falou que espera que as informações repassadas sirvam para resolver os problemas dos cadeirantes.

A representante da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Suzianne Santos ressaltou a importância do projeto para garantir segurança para as mulheres no transporte público. Ouça o áudio:

O coordenador técnico do SITT Vinícius Rufino, destacou que as medidas podem trazer benefícios econômicos para o sistema de transporte público de Teresina.

Reunião viabiliza parceria da prefeitura de Teresina com AFD para contrato de R$ 234 milhões

O termo de cooperação para a viabilização do Observatório do Transporte de Teresina, foi assinado nesta segunda feira (8) no Palácio da Cidade, pelo prefeito Dr. Pessoa e com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

Através do uso de tecnologias inovadoras por meio de blockchain, o Observatório do Transporte de Teresina tem como objetivo trazer soluções para o transporte público.

“Em parceria com os franceses, vamos fazer como Juscelino Kubitscheck: em 4 anos vamos fazer o que faltou em 40”. Destacou Dr. Pessoa.

O Cônsul Geral da França no Nordeste, Hugues Fantou, confirmou a projeção feita por Pessoa. Ele destacou que além de transportes, o projeto prevê ações contra alagamentos e obras na cidade.

Fantou ressaltou que a Agência tem condições de flexibilizar ou aumentar a operação a fim de cobrir os investimentos necessários.

O valor da operação de crédito será de R$ 234 milhões de reais.

foto: Cidade Verde

No decorrer do dia, houve também a reunião “Go No Go”, que contou com a participação das empresas parceiras no projeto (Systra e UNIFOR), e com a equipe do projeto “Teresina 2030”.

No encontro foram sanadas dúvidas sobre os próximos passos do Observatório e sobre o inicio do Open Innovation, evento que irá contar com diversos atores para desenvolvimento de ferramentas, que vão ajudar a optimizar o transporte público.

O Observatório do Transporte de Teresina, faz parte do Projeto de Desenvolvimento Integrado Teresina 2030 que prevê ações para áreas como saneamento básico, mobilidade urbana, requalificação habitação, equipamentos para inovação, arborização e eficiência energética.

Os recursos devem ser investidos em ações integradas tanto na zona urbana quanto na rural.

Reunião traz interação e novas ideias para o projeto do Observatório do Transporte de Teresina.

Realizada de forma online, a reunião que aconteceu no dia 3 de dezembro, teve como objetivo incluir representantes dos órgãos de transporte público no projeto do Observatório do Transporte, esclarecendo dúvidas, e assim, promovendo uma maior integração desses atores no projeto.

Segundo Cínthia Bartz, Coordenadora da Agenda 2030, “É importante que eles participem para que se possa de fato ter uma solução aplicável e efetiva”.

A reunião contou com colaboradores dos setores públicos (STRANS, SMPM, SEPLAM), das empresas de operação do projeto (Transcol, Consórcio Urbanus, Consórcio Poty, SETUT e SITT) e usuários (SINTETRO, ASUPATUTE, ASCAMTE e ACEP). Ao todo, foram 18 participantes, são eles: Vinícius Rufino, Jean Sousa, Williams Capelo, Francisco Bezerra, Rafael, Marcelino, Ana Patrícia, Carol, Suziane, Adriano, Ricardo, Marjorie, Weslley, Cíntia, Ajury Dias, Paulo Lima, Francisca e Adailton Pacheco.

Segundo Jean Souza, representante da Consórcio Poty, o projeto será impulsionado pela abordagem de Inovação Aberta: “É um projeto com uma proposta inovadora aos moldes que Teresina possui, e o conceito de inovação aberta, por se tratar de uma troca de ideias e teorias e como aplicá-las, será um verdadeiro fator de alavancagem para o objetivo proposto.”

O workshop e a questão de gênero

A Systra, empresa vencedora da licitação para implementar o Observatório da Mobilidade em Teresina, realizou no dia 7 de março de 2020, no Sebrae da cidade, um workshop para debater sobre questões de gênero e o transporte público na cidade.

A etapa de diagnóstico se iniciou em janeiro deste ano e será finalizada no início de abril. A elaboração desse diagnóstico será através de levantamentos de campo, análise de dados secundários, entrevistas com os gestores e com operadores, sendo também de extrema importância dar voz aos usuários do sistema de transporte público do município de Teresina, para o conhecimento das demandas e problemas segundo suas experiências.

Além de representantes da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), estiveram presentes, também, integrantes da Secretaria Municipal de Politicas Públicas para Mulheres (SMPM), da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS) e da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Na ocasião, discutiu-se o tema e foram identificados possíveis problemas e atores sociais que poderiam contribuir com o desenvolvimento de soluções. Realizou-se, além da oficina piloto, o planejamento de novos eventos para debater diversas questões ligadas ao transporte público. Na sequência, após o conhecimento do cenário real, alguns problemas serão selecionados, e em sequência, serão desenvolvidas soluções tecnológicas que possibilitem a melhoria e uma maior confiabilidade do serviço prestado na cidade. O trabalho será desenvolvido pela empresa em parceria com a UNIFOR, durante um período de 13 meses.

Flávia Maia, coordenadora da Agenda Teresina 2030 e integrante do workshop, aponta que “O objetivo do Observatório do Transporte é utilizar a tecnologia para aperfeiçoar o transporte público e incentivar a participação popular neste processo. Não só teremos eficiência, mas também uma responsabilidade compartilhada com a população e, portanto, mais transparente”.

A etapa de diagnóstico iniciou-se em janeiro de 2020 com previsão de conclusão em abril do mesmo ano. A pandemia, no entanto, alterou o cronograma de maneira significativa e, agora, estão sendo apresentadas novas datas. A elaboração desse diagnóstico ocorrerá através de levantamentos de campo, análise de dados secundários, entrevistas com os gestores e com operadores. É fundamental, também, dar voz aos usuários do sistema de transporte público de Teresina para, efetivamente, reconhecer-se as demandas e problemas segundo as experiências relatadas.

Workshop de priorização dos problemas de transporte em Teresina

Ocorrido de forma remota, no dia 3 de agosto de 2020, o workshop trouxe, como dinâmica, a apresentação de um formulário aos participantes, com os principais problemas que o Sistema de Transporte Público de Teresina enfrenta.

Depois de identificados os problemas, iniciou-se, em seguida, uma fase de diagnóstico. Foram elencados três grupos de problemas: Qualitativo, Análise e Planejamento, e Operação onde os participantes, de acordo com a sua opinião, classificaram esses problemas do mais ao menos importante.

As respostas foram obtidas através de um questionário online (MS Forms),com entidades e órgãos que tiveram mais de um representante presente no evento, elegeram um membro para apresentar o ranking. Ao final do tempo estipulado, 23 participantes foram selecionados e todos os dados foram tabulados de uma única forma, assim, foi possível classificar os problemas sem distinção de instituição ou órgão.

Embora fosse possível identificar qual problema ocupou o primeiro lugar em cada grupo, no ranking também foram considerados aqueles problemas que foram votados em segundo, terceiro, e assim por diante. Dessa forma, pode acontecer do Problema A ter sido classificado em primeiro lugar por mais pessoas do que o Problema B, mas a recorrência do Problema B em segundo e terceiro ter sido muito maior, assim esse problema acaba pontuando mais e alcançando uma melhor posição do que o Problema A.

Devido a sua natureza, o grupo de problemas Qualitativos tiveram como três principais problemas, em ordem de hierarquia: Falta de segurança dos ônibus, estações e nas redondezas das estações e paradas, baixo sistema de pontualidade e longo tempo de viagem, e falta de conforto.

O grupo de problemas de Análise e Planejamento apresentou, como principais problemas: a ausência ou inconsistência de informações para gestores e usuários, falta de indicações/métricas para processo de tomada de decisão e a falta de integração entre o sistema de transporte e intermodalidade.

Por fim, os três principais problemas elencados do grupo de Operação foram: superlotação nos veículos, baixa atratividade nos serviços e baixa performance de sistema segundo indicadores de transporte. Dessa maneira, a fase inicial do projeto pode compreender os cenários sob a ótica dos envolvidos e, assim, dar prosseguimento às demais fases. O evento contou com os principais atores do sistema de transporte, entre eles: Adriano Barreto (DTP STRANS), Aécio Matos (Agenda Teresina 2030), Ângela Araújo (Gerente de Projetos SEMPLAN), Daniely Votto (SYSTRA) e Ricardo Colares (Unifor).

O início de tudo: a assinatura de cooperação

O dia 03 de abril de 2019 marcou o nascimento do Observatório do Transporte de Teresina. Tudo começou com a Assinatura do Termo de Cooperação de longo prazo que, consolidando a parceria entre a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e a Prefeitura de Teresina, deu-se o principal passo para o início de um projeto que tem por objetivo aproximar a sociedade de processos de tomada de decisão na gestão pública. Este projeto propõe a criação de um comitê e, como diferencial, o uso da tecnologia blockchain para promover a transparência da gestão e aumentar a eficiência da operação do transporte público de Teresina.

Gabriela Uchôa, coordenadora da Agenda Teresina 2030, destacou, na ocasião, a contribuição do projeto para resolver os gargalos através de tecnologia, do incentivo a participação social e criando indicadores do transporte público.

O projeto tem financiamento externo da ordem de 500 mil euros e foi um dos 16 projetos aprovados na América Latina e um dos 2 únicos do Brasil. Aqui, apenas a cidade de Santos, em São Paulo, também foi agraciada.

Estiveram presentes na reunião o Prefeito Firmino Filho; Gabriela Uchôa, coordenadora da Agenda Teresina 2030, Phillipe Balduin, Diretor Geral Adjunto da AFD, entre outros.