A visão por dentro II

Estamos nos aproximando da reta final do  #MoveTeresina, antes disso, um breve resumo: a Agência Francesa de Desenvolvimento, em parceria com a Systra e Prefeitura de Teresina, lançaram o Desafio #MoveTeresina, com o objetivo de otimizar o transporte público da cidade por meio de soluções digitais. Após dois workshops, três equipes tiveram os projetos selecionados para serem desenvolvidos durante seis meses: Jaegers, com o Painel de Informações em tempo real (Dashboard), Prontuário do Busão e a solução para otimizar a manutenção da frota e OpTime com o projeto de otimização das linhas de ônibus. 

Faltando alguns ajustes para os protótipos ficarem prontos, fomos conversar com os “donos do projeto”, que ajudam no desenvolvimento junto às equipes, e vão executar os protótipos no transporte público de Teresina, para saber qual é a expectativa deles em relação ao que já foi apresentado e como foram os trabalhos até aqui.

Nessa segunda parte conversamos com o Técnico Operacional da STRANS e “dono do projeto” da equipe Prontuário do Busão. Ao ser indagado sobre como foi o caminho para se chegar ao que estava sendo demandado, Derrick explica que além dele e dos integrantes da equipe, as reuniões, que foram várias, cada setor fez suas pontuações. “Apesar de ser o dono do projeto, não sou o único participante. Nós temos um empresário (Jean) , colaboradores (motoristas e cobradores) e Prefeitura (Derrick), cada um abordou as soluções sobre suas percepções, agregando todas, a coisa foi se aperfeiçoando.

O tempo de execução dos serviços e a transparência nos dados, foram os dois principais desafios da equipe, “Como é que você pode refletir aquilo diretamente para o usuário e como canalizar essas informações para a prefeitura? A partir desses pontos nós podemos alinhar estratégias que seriam pertinentes para o Prontuário do Busão”.

Como é que você pode refletir aquilo diretamente para o usuário e como canalizar essas informações para a prefeitura?

Derrick Nunes – Técnico Operacioal STRANS

De acordo com Nunes, caso a solução seja uma das selecionadas pela Prefeitura, a adaptação pelos colaboradores e empresas não se´ra um problema. “É um processo bem simples, bem prático. A forma antiga era feita com muita morosidade, preenchimento de formulário, comunicação interna, esse formato será abolido. Claro que há uma resistência, tem que haver uma reciclagem do corpo operacional para o uso da ferramenta, mas creio que isso não vá ser uma dificuldade. No primeiro momento pode ser um empecilho, mas dá pra se habituar quando se usa na prática, até porque, o aplicativo é bem prático. Abrir ordem de serviço, acompanhar status, informações bem claras e diretas que qualquer um consegue distinguir. Se o projeto for implantado hoje, nós temos 90% de chance de ser um acerto em que todos vão se beneficiar, a empresa, os colaboradores, usuário e a Prefeitura.”

Perguntado se o projeto é uma novidade, Derrick, que é arquiteto e urbanista, afirma que já tivera contado com a parte e inovação, “trabalhei na área de urbanismo e mobilidade urbana, voltados para o Plano Diretor. Mas dentro do contexto do Desafio, boa parte são de novidades e outras familiares. Por ser arquiteto e urbanista, não é um mundo tão estranho.”

 “É um processo bem simples, bem prático. A forma antiga era feita com muita morosidade, preenchimento de formulário, comunicação interna, esse formato será abolido”

Derrick Nunes – Técnico Operacioal STRANS

Um ponto sensível que envolve a tecnologia, é a adaptação da empresa de transporte. Funcionários podem achar que serão demitidos, porque uma nova ferramente será implantadam, mas ao contrário do que a inovação pode gerar, Derrick afirma que houve uma preocupação nesse quesito: “Tem operadores do sistema que estão aqui há mais de 30 anos, então menos por conta da idade e mais pela falta de interesse de se atualizar. Em uma das conversas foi colocado que é preferível a reciclagem do que a demissão, porque esses funcionários sabem onde estão outros pontos sensíveis que devem ser analisados. Nós traçamos um plano de comunicação para buscar um melhor entendimento de como as coisas vão funcionar. Em todo lugar tem pessoas que têm mais facilidade em trabalhar com celulares e aplicativos, ela poderão ajudar os outros colegas. Essa ferramenta não vai ser implantada de imediato, será algo de médio e longo prazo, e vamos buscar fazer isso de forma gradativa.”

 “Tem operadores do sistema que estão aqui há mais de 30 anos, esses funcionários sabem onde estão outros pontos sensíveis que devem ser analisados.”

Derrick Nunes – Técnico Operacioal STRANS

Levantamos a importância de explicar para o usuário, que apesar de não ser direcionado para o passageiro, a ferramenta vem para melhorar o setor como um todo, de quem está fazendo a manutenção até quem fica no ponto aguardando o ônibus. “As pessoas têm que ter o conhecimento de como funciona uma empresa de ônibus, e como são feitos todos os projetos. Nosso objetivo é fazer desse projeto uma vitrine, para mostrar que nós estamos nos preocupando com os usuários, crítica sempre terá. Inicialmente nós temos planos para criar uma comunicação entre o aplicativo desenvolvido pela STRANS e esse da Prontuário, caso seja ele o selecionado pela Prefeitura, estamos estudando uma forma de fazer isso”, conclui Derrick.

Ainda neste ano, haverá a última rodada para as equipes mostrarem as melhorias nos projetos. Até lá acompanhe nossas redes sociais e siga atualizado para mais novidades.

Compartilhe:

Últimas Notícias